Dicas para Empresas, Profissionais , Autônomos em Transição de Carreira

 

1 – Em 1º lugar, deixar de achar que estamos numa crise e sim pensarmos em um momento de transformação mais profundo, de nossas formas de pensar e agir, de renovação consciente de nossa cultura cotidiana. As crises deixamaprendizados, esse momento nos deixará um novo legado!

2 – Questionar nossos conceitos e pensamentos que não estão dando resultado e insistimos em achar que um dia darão. Nossas crenças limitantes que estão aí somente por costume e tradição, mas não tem mais sentido no nosso mundo atual, seja em nosso estilo de agir dentro e fora de uma empresa e o que nos trouxe até aqui – sucessos e insucessos – o que podemos deixar para trás e o que devemos levar na jornada?

3 – Observar atentamente os nossos pensamentos inconscientes, o que eles nos dizem sobre nós. Como podemos entender de onde eles veem e se ainda tem a ver com nossos propósitos atuais de onde desejamos chegar. Se eu não assumir minha vida, quem eu estou esperando que assuma? Onde está a sua fé em você mesmo?

4 – Mudar de posição, de vítima para protagonista! Imediatamente! Se tudo é como é, então o que EU contribui para chegar até aqui (sempre tem algo – sucessos e insucessos) e como posso trilhar um novo caminho.

5 – Observar os meus produtos e processos, a quem eles se destinam? É o mesmo cliente que está aí hoje? Existem novas formas de atuar e agradar ao cliente que ainda não reconheço? Perder a “esperança” e ganhar a “confiança”. Como posso pensar diferente do que sempre pensei? Na forma de liderar? De fazer reuniões? De visitar clientes? De me comunicar? De atuar nos relacionamentos? Como posso rever o propósito e os impactos que minha empresa prega e busca?

6 – Olhar para meus relacionamentos como espelhos de mim mesmo. O que eles estão nos mostrando, como eu sou quando olho para eles? O que eles dizem para mim? O que estou esperando que eles me tragam? O que eu exijo dos outros mas não faço? O que eu faço porque desejo mas cobro? Quem eu estou projetando neles? Como posso abrir o meu coração de verdade e sem restrições nem medo de ser “machucado”? Enfim, olhar no espelho e fazer essas perguntas antes de perguntar ao seu próximo…

7 – Observar o ser consciente e o ser inconsciente em mim…quando eu atuo nas emoções e quando eu atuo com ponderação e amor? As emoções são fruto da “criança imatura” dentro de nós, de uma interpretação de “afeto” congelada em situações da infância e que, ainda hoje, nos “comandam”, por vezes de forma inconsciente… São as mais comuns: raiva, vingança, orgulho, vergonha, luxuria, medo, gula, preguiça, soberba, indiferença, apego e aversão). Parece que somos obrigados a sentí-las devido a alguma situação externa ou alguém ou mesmo até por nós mesmos, mas são somente um sinal de nossa inconsciência e falta de auto estima. Quando elas se apresentam, tente perguntar…de onde elas vem? O que posso fazer para aceitá-las e deixá-las ir? Como posso acolher o momento e refletir em como sair dele de forma saudável e mais leve? Como posso assumir o comando? Como posso me amar de verdade?

8 – Observar como as emoções que tanto nos desequilibram promovem a falsa ideia de que o problema “são os outros” e acabamos por perder a oportunidade de nos resolvermos internamente, então quando o outro parece ser totalmente o “culpado”, pergunte-se: O que eu fiz para que isso acontecesse? Como eu poderia ter evitado esta situação? Use o perdão como ferramenta de trabalho e a gratidão como incentivo à criatividade e energia!

9 – Se a situação está difícil, essas emoções só a pioram! Então, respire por 1 minuto profundamente e se pergunte…o que realmente espero de hoje? O que posso pensar e fazer para que eu me sinta melhor? Como posso assumir o comando de meu destino e ter confiança em mim mesmo? O que estou postergando em minha vida? Você pode fazer isso várias vezes por dia. Respire e reflita, e aja para seu próprio bem e propósito, só assim poderá ajudar aos outros e ao mundo à sua volta!

10 – Ao final, o que você pode realmente fazer para se ajudar e não depender tanto de outros ou de situações em um mundo tão vulnerável e pleno de oportunidades como esse? Se conhecer não seria o melhor caminho para exercer todo o seu potencial? Como podemos nos conhecer com tanto barulho fora? Como seria praticar mais silêncio em nossas vidas?

Pois bem , espero que essas reflexões te ajudem em sua jornada, seja ela qual for!
Escolha ser protagonista de seu destino!

 Fonte: site GoOn
Fernando Manfio

Fernando Manfio

CEO em GoOn
Engenheiro formado pela USP e, de 2011 a 2013, se tornou “Coach” profissional, pelo Instituto Ecosocial, credenciado pela ICF ( International Coach Federation) e em 2013, pela SBC ( Sociedade Brasileira de Coach). Realizador do Fórum GoOn para o mercado de riscos, crédito e cobrança que busca promover o encontro das pessoas e profissionais do ramo para o verdadeiro compartilhar de conteúdo, experiências e divergências; em um ambiente humano, dinâmico e positive. É também autor do livro “O risco nosso de cada dia” ( Ed. Estação das Letras).
Fernando Manfio